A Realidade Machuca

Meu blog, não aconselhado pra falsos-moralistas, pessoas que procurem um blog com sentido, hipsters, usuários de Iphone e Ipad, fãs da saga Crepúsculo, fãs de bandas ruins e fanáticos religiosos.

domingo, 13 de agosto de 2017

Review: Os Poucos e Amaldiçoados volumes 1 e 2

"A única escuridão deste mundo é aquela que trazemos conosco"

Existe uma coisa no mundo das artes visuais, como filmes e HQs, que se refere como cenas de abertura, na qual o criador usa como a primeira impressão que o espectador precisa ter sobre a obra em si, o que vi na primeira página da história conseguiu expressar muito bem o que viria a ocorrer, um lugar vasto, onde a maioria das coisas está morta, já expondo a escassez de água e a sensação de solidão que acompanha a personagem principal.
O desespero das pessoas na cidadezinha de Mountain View, mostrou o quão urgente e necessária era a ajuda que eles precisavam da Ruiva. Também o ritmo que a história segue foi numa tensão agradável, algo mais direto no primeiro volume, os acontecimentos estão em maior foco do que o diálogo, já no segundo volume se segue diálogos maiores para melhor conhecer os personagens e a situação em que eles estão, já que o primeiro volume conseguiu cumprir a função de agarrar a atenção do leitor.
Os poderes que a Ruiva mostrou ter, são interessantes, tanto quanto a maneira que ela absorve as maldições que ela caça. O fato de ela se importar com os outros mesmo estando num mundo aonde, segundo ela mesma, as pessoas são tão podres e piradas quanto as maldições que ela combate, mostrou que a personagem ainda possui um lado humano.
Também algo que conseguiu deixar a leitura com um gosto de quero mais, foram as cenas ilustradas no final de cada volume.
Após tudo que aqui expressei, digo que a história é boa, superou minhas expectativas e recomendo que leiam-a também.
Agradeço desde já a oportunidade de ler essa obra que me foi cedida pelo roteirista Felipe Cagno e que gostei tanto que vou comprar as edições físicas assim que for possível.
Até o próximo review pessoal! o/
Essas duas HQs podem ser adquiridas pelo site:

Todas as imagens usadas neste review foram autorizadas por Felipe Cagno.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

As Crônicas de Os Poucos & amaldiçoados

Após o sucesso dos dois primeiros volumes de Os Poucos & Amaldiçoados, eis que o criador Felipe Cagno decidiu criar uma expansão no universo dessa história. Serão 7 histórias, desenhadas por 7 artistas, com 7 coloristas e um arte finalista (representando a perfeição possivelmente).
Essa antologia promete desenvolver e enriquecer alguns dos personagens que apareceram ou que ainda não apareceram na série principal. Podendo ser lida independentemente se você conhece o P&A ou não!
Em vista dos trabalhos anteriores dos participantes desta obra, pode-se dizer que o resultado final será uma bela obra de arte!
Somando com o roteiro de Felipe Cagno, esta HQ será fascinante com certeza!
Infelizmente, no momento em que estou digitando este post, o período de apoio no Catarse acabou de acabar :( E eu também perdi a oportunidade de apoiá-lo, mas a boa notícia é que em breve a HQ estará disponível para compra! O que também estarei esperando ansiosamente!
 Para maiores informações sobre o projeto, acessem:
Até mais pessoal! o/

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Os piores de 2016!!

Fala galera! Feliz ano novo pra todo mundo!!
E mais um ano se passou com um monte de coisas acontecendo! Muita coisa mesmo!!
Nesse ano não cumpri com muitas coisas que achei que iria fazer, como terminar de ver o filme do Smosh (vencedores de pior filme do ano passado aqui no blog), mas vou tentar ver esse ano pra fazer um post e/ou vídeo interessante; não postei nenhum review do Cavaleiro das Trevas III (se bem que não postei quase review nenhum ><), vou tentar postar um compiladão de reviews desse titulo assim que a série concluir ou então faço posts múltiplos dissecando cada volume, pois acreditem aquilo é algo que vai render longos posts; Estagnei os reviews de TMJ, sendo que a HQ sofrereu o primeiro "reboot" depois de seus 8 anos de publicações, vou tentar fazer uns posts interessantes tanto sobre as publicações antigas e as novas; Não consegui postar quase nenhum review sobre livros, mesmo tendo lido vários títulos ao longo do ano; Não publiquei mais nenhum review de filmes, considerando o fato de ter visto muitos que foram interessantes;
Bom pulando o papo agora, eias que como uma das mais novas tradições do blog (desde o ano passado) aqui vai mais um apanhado dos piores do ano!!

Atenção: Estarei listando aqui coisas que vi no ano passado, que podem não ter sido exatamente lançadas no mesmo.
Outro adendo: minhas opiniões podem não agradar a vocês, comentem, não xinguem, apenas estou mostrando minha opinião.


Pior HQ:
Holy Terror
Esse posto ia ser ocupado por outra hq, mas eis que nos 45 do segundo tempo (sério que usei um jargão de futebol? Nossa realmente estou decaindo ><) surge Holy Terror por míseros 20 reais no estande da Saraiva da CCXP, sim eu já sabia da fama ruim que essa hq tinha, mas a curiosidade ganhou e comprei para ler... E caramba, fazia muito tempo que tinha lido algo tão ruim, com problemas de escala, uma narrativa repetitiva e entediante, vilões que não sabem coordenar direito um ataque e aqueles malditos quadradinhos que começam a se repetir, ficam brancos e ocupam mais que uma página! Não vou prometer um review completo dessa HQ, mas acho que o início desse video aqui explica mais ou menos minha reação ao terminar de ler.
Pior desenho:
Meninas Super Poderosas 2016
Todos os desenhos do Cartoon estão se resumindo a comédia, o que faremos com o reboot das Meninas? Baixemos a ação das lutas, vamos tirar a Senhorita Belo porque ela é atraente demais, temos que remover os seios da senhorita Kimmie, pois crianças não podem saber que mulheres mais velhas os tem e vamos deixar as meninas agindo como imbecis. Composto por cópias dos outros cartoons atuais, memes e gírias que já deixaram o desenho obsoleto sem que ao menos o ano tivesse acabado e total ausência do criador original colocaram as Meninas Superpoderosas 2016 o pior desenho do ano!
Pior filme:
Depois da Terra
Eu fui ver o filme sem expectativas, eu gosto de ver reviews de filmes, e já tinha visto alguns dizendo que o filme não era bom, mas gosto de ver o filme para ver como reajo a ele... De início parecia algo legal, espaço, um local aonde é posível desenvolver histórias incríveis, a fronteira final! Mas tudo foi pelo ralo depois de uns 10 minutos do filme, o filho do Will Smith (não guardei o nome dos personagens e não quero olhar, não sinto que isso é importante ou necessário) pareceu ser um ótimo candidato a virar um patrulheiro, mas não, ele não passou, e não mostraram nenhum motivo antes disso que desse a entender que ele falhou em algo, depois mostrando que mesmo fora de casa o Will trata o filho como um subordinado e não como família, mas o que me deixou mais frustado ao ver o filme inteiro foi exatamente assim: Eles estão no futuro, a nave cai, WillSmithquebrou as pernas e não pode ir até o local lá pra ligar o sinalizador... Se estão no futuro, aonde é possível prender oxigênio (acho que era isso) em capsulas que parecem umas borrachinhas de um tenis que eu tive quando era mais novo, como que não existe um remédio que cure as pernas quebradas? Ou se a roupa lá podia mudar de cor, porque a roupa não gera um tipo de exoesqueleto para que o will possa andar? O resto do filme tem falhas, mas acho que num post futuro posso fazer algo interessante com o roteiro do filme.
Pior momento da CCXP:
Tentar pegar o ônibus pra ir embora de lá
A hora da saída, com as filas infernais e sem direção para quem ia de taxi ou de ônibus, e o momento que o segurança indicou para a gente que a fila "X" era a certa pra depois ver que a fila se desfez, pois quem tava no começo dela descobriu que a fila não tava indo pra lugar algum. Caramba CCXP, nem pra colocar umas grades e umas indicações pra ajudar seus visitantes? Que falta de responsabilidade!

Bom é isso galera, esse foi o post de piores do ano, não teve pior mangá e pior anime, pois nesse ano não cheguei a ver nada dessas categorias que achei tão ruim...

Até o próximo post! o/

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Drinking the problems away...

Novamente ele desce a rua
Quem é ele? Como ele se chama?
Ninguém sabe, ou se lembra
Nomes não importam
Datas são apenas números esquecidos
A mão que treme leva o gargalo até a boca
Lágrimas escorrem dos olhos
O sabor que antes era amargo, agora...
Não é mais nada
A língua está inutilizada
A garganta parece apenas um boeiro
As mortes dos entes queridos
Agora são apenas pesadelos
As mortes que talvez tenham sido causadas por ele
Não passam de pesadelos
Os gritos de dor, os ossos que pareciam de vidro
A resistência que não existe mais
Não passam de pesadelos
Momentos alegres só se teve naquela mesa de bar
Mas, um sorriso verdadeiro?
Faz mais de uma década que não ocorre
As pernas começando a fraquejar
Aquela sensação estranha no estomago de novo
As mãos ainda estão tremendo
A garrafa cai no chão
E vai rolando até o fim da colina
Nem ele lembra o próprio nome
Tudo são apenas palavras
Uma vez ditas o vento as leva
E o tempo faz com que elas sejam esquecidas
A inocência feita como um desenho na areia
Se desfez antes mesmo que ele tivesse noção
A visão está muito turva
Nem que ele se esforçasse ia poder reconhecer
Algum ente querido, ou uma de suas antigas paixões
Tudo virou trocados
Seus sonhos se quebraram
assim como uma garrafa ao cair no chão
Todos os trocados se foram
E viraram mais e mais garrafas
Aquela pontada estranha na coluna
Melhor se sentar no banco
Ele se deita
Fecha os olhos, e volta pro mundo de pesadelos
Que o segue mesmo quando acordado
Se ele morrer essa noite?
Não importa
Ele cavou seu tumulo com os cacos das garrafas
Que ele acúmulos por todos esses anos
A lua brilha forte no céu
Se ele acordar amanhã
Ele voltará ao bar e só saíra ao anoitecer
Ninguém mais se importa
Ele segue o que sobrou de sua vida
Drinking the problems away...


Até um próximo texto...

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Diário do detetive Boër capitulo 1

Como eu havia dito antes, eu postaria alguns textos meus. Eis aqui o primeiro, de muitos, que pretendo postar aqui. Tentarei escrever regularmente...

Diário do detetive Boër; Página 12
6 de outubro
Depois de sair de minha suspensão por ter matado o procurado que deveria ter sido levado a questionamentos, resolvi sair da força policial de Londres. Uma que não queria ser deslocado para outro lugar, o que acontece com todo policial que comete um erro como o meu e o outro motivo é que não aguento mais ouvir o delegado Clyde! Aquele gordão de sobretudo dá  no saco de qualquer um. Não é a toa que a mulher dele se mudou com o filho pra Leeds a fim de cuidar dos estudos do menino!
Enfim aluguei um escritório pequeno em West End e usei um contato para colocar um anúncio de busca de assistentes no jornal. O que não imaginei era que ninguém, literalmente ninguém, iria responder... O endereço está certo, o anúncio todo foi impresso do jeito que eu pedi.
...
Incerto do que fazer, resolvi ir a um pub, nada como um Scotch para ordenar meus pensamentos. Lá foi onde  conheci uma mulher, bela, com um olhar cativante, cabelos encaracolados e compridos, que passavam do ombro. Seu vestido vermelho agarrado ao corpo não escondia o fato de estar usando um corset. Ela possuía uma piteira que exalava um estranho odor de menta e um belo par de luvas que faziam com que suas lindas mãos parecessem feitas de porcelana. Enquanto tomava meu segundo copo, ela se aproximou de mim e, antes mesmo de chegar, senti que aquele olhar penetrante aquecia minhas costas. Ela se sentou ao meu lado na mesa. Lentamente levei meu olhar a ela, que tinha um sorriso pequeno, como o de uma criança que gostaria de me contar alguma travessura que ela fizera e ninguém sabia. Dei um riso de canto de boca antes de perguntar educadamente o que ela queria. Ela me respondeu, após piscar os olhos como se fosse um gato curioso com algo nunca visto antes.
“Gostaria de saber o que um cavalheiro está fazendo sentado aqui, sem uma companhia.”
Ainda mantendo meu sorriso forçado, respondi calmamente que não estava interessado nesse tipo de serviço. Ela, antes de responder, deu uma pequena tragada e soprou a fumaça na direção do meu rosto.
“Um cavalheiro decidido, é assim que eu gosto. Não gostaria mesmo de ter uma conversa mais íntima?”
Neste ponto, o pouco que tinha de meu sorriso já havia desaparecido, acenei ao homem atrás do balcão e ele colocou mais uma dose no meu copo. Ela parecia ter percebido o meu total desinteresse, mesmo assim continuou sentada ao meu lado e chamou o bartender.
“Gostaria de um licor, de menta, por favor.”
Já não mais olhava para ela, porém sentia seu olhar prestando atenção em cada movimento meu. Vagarosamente terminei minha dose enquanto era acompanhado pela dama que agora mais do que nunca exalava um forte odor de menta. Paguei minha conta, me levantei e saí do pub. Após subir as escadas, fui andando calmamente pela viela escura até chegar à próxima rua onde se localiza meu pequeno escritório com uma cama. Estava pensando que amanhã teria que contatar o jornal, perguntar se alguém não tinha aparecido por lá perguntando sobre o anúncio, quando senti novamente aquele olhar penetrante que me encarava, focando minha nuca. Senti um toque leve em meu ombro e ouvi novamente a voz da bela dama.
“Um verdadeiro cavalheiro se lembra de dar adeus a uma dama. Vamos nos encontrar novamente...”
Ela seguiu a minha frente e virou para o lado oposto a que eu iria seguir.
Apenas quando cheguei ao escritório, fui tirar meu casaco, é que notei que minha carteira havia sumido! Mas quando? Só podia ser aquela dama que havia me roubado. Ainda bem que não levara muito dinheiro na carteira, mas eu hei de encontrá-la!


Em breve o próximo capítulo, ou vou intercalar com outro texto!